ssocial.hemose@fsph.se.gov.br +55 79 3259-3174

Teste do sistema ABO prepara o sangue para transfusão

A realização dos testes que analisam o sistema ABO, dos quatro tipos de sangue existentes A, O, B e Ab  e fator RH, positivo ou negativo, tem como finalidade minimizar possíveis reações transfusionais. Esse é um procedimento padronizado pelo Ministério da Saúde (MS), realizado diariamente nas bolsas de sangue coletadas no Centro de Hemoterapia de Sergipe (Hemose) para atender pacientes assistidos na rede hospitalar.

No laboratório de Imunohematologia do Doador, os tubos com as amostras colhidas junto com as bolsas de sangue passam por testes de verificação e, ou, confirmação do grupo sanguíneo, fator Rh, pesquisa de anticorpo irregular e pesquisa de hemoglobina S. O material é pipetado e colocado para centrifugar e o resultado é cadastrado no sistema Hemovida. “Após a finalização dessa etapa, as informações dos resultados das análises feitos nos serviços do Imunodoador e da Sorologia, a bolsa é rotulada e liberada para o estoque”, explicou Ana Paula Prata, gerente do laboratório Imunohematologia do Doador e Receptor.

Conforme a biomédica as informações no rótulo da bolsa é o primeiro passo para preparação da transfusão de hemocomponentes. “Quando recebemos a solicitação de pedido para transfusão sanguínea de um paciente que é atendido no ambulatório do Hemose, buscamos uma bolsa no estoque para realizar outros testes que verificam a compatibilidade entre a bolsa doada com o receptor, no caso o paciente a ser transfundido”, relatou.

Ela explicou que a incompatibilidade entre o doador e o receptor pode ocasionar desde complicações graves, como reações ou até mesmo o óbito. “Pessoas portadoras do sangue O negativo são consideradas doadores universais por não possuir os fenótipos A, B e D. As transfusões só podem acontecer com sangue que contenham os mesmos fenótipos”, ressaltou ao esclarecer.  “Por exemplo, um paciente sangue A, não pode receber um sangue AB, pois no sangue do paciente A, contém Anti-B que causará uma reação com o sangue Ab”, detalhou Ana Paula ao confirmar que a realização dos testes visa à garantia de uma transfusão ABO compatível.

A indicação para transfusão de sangue compreende uma série de fatores clínicos como paciente em tratamento oncológico, renal crônico, portadores de leucemias, cirurgias cardíacas e ortopédicas, recém-nascidos, além de pacientes portadores de doenças hematológicas, a exemplo da Anemia falciforme.

Depois que é coletado o sangue passa por análises nos laboratórios Imunohematologia do Doador e na Sorologia, onde é realizada a triagem para HIV, Hepatite C e B; teste para Vírus Linfotrópico da Cécula Humana (HTLV); doença de Chagas e Sífilis; Teste de Ácido Nucléico (NAT) para HIV e HCV. Para doar sangue, basta estar em boas condições de saúde, ter entre 16 e 69 anos de idade, pesar mais de 50 quilos. Mais informações através dos telefones: (79) 3225-8000, 3225-8039 e 3259-3174.

fsphadm

Your Turn To Talk

Deixar uma resposta:

Seu e-mail não será públicado.