ssocial.hemose@fsph.se.gov.br / ouvidoria@fsph.se.gov.br +55 79 3259-3174 / 3225-8037

Hemose: Palestra discute ‘abordagem de emergência das reações transfusionais’

Alinhar fluxos de atendimento para pacientes no ambulatório do Centro de Hemoterapia de Sergipe (Hemose). Esse foi o objetivo da palestra com o tema ‘abordagem de emergência das reações transfusionais’com a participação de médicos, enfermeiros, técnicos de enfermagem, administrativos, além de estagiários envolvidos diretamente com o setor.

 

De acordo com o gerente responsável pelo serviço, Weber Santana Teles, a atividade foi proposta a partir da necessidade das equipes de profissionais conhecerem os procedimentos para prestar o correto atendimento aos pacientes no caso de eventuais reações durante o processo de transfusão sanguínea. “O ambulatório realiza consulta médica, infusão de componentes sanguíneos e medicamentos para portadores de doenças do sangue, por isso que é importante haver essa troca de conhecimento”, detalhou.

 

Conforme o biomédico a discussão sobre o tema abordagem de emergência das reações transfusionais teve como objetivo envolver todos os profissionais para o cumprimento de protocolos de trabalho. “O setor possui um documento chamado, Procedimento Operacional Padronizado, que estabelece como deve ser realizado o atendimento ao paciente que apresente no decorrer de sua infusão, sinais de reações adversas ocasionadas pela transfusão sanguínea”, explicou o gestor.

 

Teles ressaltou ainda que o ato transfusional é um procedimento da hemoterapia e de responsabilidade médica, e que demanda de assistência multiprofissional. “Esse é um processo que envolve médico, enfermeiro e o técnico de enfermagem. Esses profissionais devem acompanhar todas as etapas, desde os testes pre-transfusionais para preparação e liberação da bolsa de sangue até a conclusão da infusão do hemocomponente no paciente”, justificou.

 

A palestra ministrada pelo médico Enilson Vieira Moraes, destacou as principais indicações para prescrição de sangue e seus hemocomponentes – plaquetas, hemácias e plasma. Na ocasião, ele falou sobre os principais tipos de transfusões e que o conhecimento sobre aspectos técnicos do serviço entre os profissionais, é fundamental, para que a equipe tenha o conhecimento do serviço para oferecer um monitoramento mais seguro e de qualidade ao paciente.

 

Cuidados

 

Antes de iniciar o processo transfusional o profissional realiza a verificação da etiqueta da bolsa de sangue que será administrada para garantir que a unidade se destina àquele receptor. O sangue deve ser administrado ao receptor lentamente, em geral no período de uma a duas horas para cada unidade de sangue. Como a maioria das reações adversas ocorre durante os primeiros quinze minutos da transfusão, o receptor deve ser observado e no caso de verificar uma possível reação é necessário suspender o procedimento.

Rosangela Cruz Lima

Your Turn To Talk

Deixar uma resposta:

Seu e-mail não será públicado.